25de Junho,2019

Geopt.org - Portugal Geocaching and Adventure Portal

24 July 2014 Written by  GeoPT

global trekkers found Montanhas Nebulosas [PNPG]

#3352

“It is not the mountain we conquer but ourselves.” (Edmund Hillary)

“If you have men who will only come if they know there is a good road, I don't want them. I want men who will come if there is no road at all.” (David Livingstone)

 

PRÓLOGO

Quando a 30 de Agosto de 2013 terminámos ao fim de 4 anos de caminhadas, a PNPG's MasterDegree Challenge (GC1P9ZV), nunca pensámos que voltaríamos ao Gerês para os grandes desafios na alta montanha. Mas aqueles vastos maciços graníticos dominados pela solidão e silêncio avassaladores parecem ter esse efeito nos caminhantes, que como nós, acabam sempre por aqui voltar, como que chamados por um apelo irresistível.

Foi o caso desta cache que prometendo uma caminhada de pelo menos 75 km quase todos ao longo da fronteira luso-espanhola, percorrendo todas as serras emblemáticas do parque e oferecendo uma miríade de paisagens minimamente perturbadas pelo homem, desde rios e ribeiras em estado (quase) selvagem até aos altos cumes de pedra, passando por bosques sub-alpinos de elevado valor botânico, não podia de facto ser ignorada. Mas mais do que isto era mesmo o desafio à coragem, a paixão por novas aventuras que no fundo constitui o espirito livre do homem.

Depois da vontade e do desejo, veio a preparação: Leitura atenta da página da cache e dos respectivos registos de outros caminhantes que outrora a abordaram com ou sem sucesso, tendo especial atenção aos cuidados a ter a quem se aventura nestas serras que para nós, graças à experiência de outras tantas passeatas no PNPG, já não eram novidades.

Após a convocatória dos outros aventureiros que nos haviam de acompanhar nesta demanda – JorgeGP, Portubal e mecasantos, que tantas aventuras por esse país fora partilhámos juntos -, ficou decidido que o planeamento passava por procurar esta cache em 3 etapas: a) Castro Laboreiro-Parada; b) Parada-Portela do Homem e c) Portela do Homem-Pitões das Júnias. Para este fim-de-semana (prolongado) de Maio, a estratégia passava por fazer de seguida as primeiras duas etapas, numa extensão aproximada de 50 km (e que afinal de veio a revelar um pouco maior conforme descrito adiante). A derradeira etapa ficaria como tal para outra ocasião. Foi igualmente decidido que a pernoita entre as 2 primeiras etapas seria feita em algum alojamento hoteleiro e nunca em campismo selvagem (como chegou a ser equacionado), uma vez que tal imprimiria uma muito maior exigência física e cansaço ao percurso conforme constatado em alguns registos. 

Na véspera da caminhada e depois uma chegada tranquila à vila de Castro Laboreiro, todo o material e provisões foram devidamente preparados, para no dia seguinte, logo de madrugada, nada faltasse e nos puséssemos de imediato ao caminho. A única dúvida relativa ao equipamento prendia-se com o facto de levarmos ou não um par de botas vadiadoras (ditas botas de pescador) que nos poderia vir a dar muito jeito na passagem da mistura das águas (Laboreiro e Penedo). Mesmo tendo em conta o peso adicional e o desconforto em levar tal equipamento (a forma menos penosa é transportar ao pescoço com uma perna para cada lado), acabámos por decidir levá-las e em boa hora o fizemos. De resto tudo estava devidamente acondicionado com as habituais seguranças: mais de 6 pares de pilhas alcalinas/recarregáveis, gps adicionais, página da cache impressa em papel, contactos telefónicos essenciais, bússola, primeiros socorros, etc.

 

Dia 1 (02/Maio/2014): Castro Laboreiro – Parada (42,0 km)

Foi pois às 6h30 da manhã, sob uma madrugada algo fria mas a prometer um excelente dia de sol, que abandonámos o hotel e partimos pelas traseiras do mesmo, rumo às Montanhas Nebulosas. Esta primeira parte do percurso consistiu na descida do vale do rio Laboreiro até à fronteira na Ameijoeira, na qual fomos observando mais em detalhe pequenas aldeias dispersas – e aparentemente quase desertas – ao longo do caminho. Pequenos refúgios que apesar de tudo estão agora ligados por estrada de alcatrão, deixando a imaginar como em tempos seria a vida nestes pequenos lugares. A primeira surpresa do dia estava reservada para o encontro com a ponte medieval sobre o rio Laboreiro. Quem diria um monumento nacional aqui neste local…Aproveitámos pois claro para fazer uma pausa prolongada com direito a merenda e a umas belas fotos sobre este rio de montanha. 

Após a merecida pausa continuámos pelo trilho até chegar a uma pequena ponte que nos permitiu a passagem para a margem esquerda do rio. Depois de tanto descer, tínhamos então pela frente uma pequena subida para ir aquecendo os sentidos. Finalmente. Foi também altura que cruzámos a estrada de alcatrão e onde simplesmente nos sentámos na estrada para mais uma pausa para a acentuada subida que tínhamos pela frente, agora sem trilho aparente como pudemos comprovar. Chegando ao topo, fomos depois percorrendo a montanha a meia encosta, tendo agora a visão para o outro lado do vale onde já tínhamos estado. Ficámos espantados como é que se conseguiu descobrir este trilho de pé-posto que não devia ter mais do 40-50cm de largura. A verdade é que nos permitiu ir progredindo até finalmente chegarmos a zonas mais abertas e planálticas já perto da fronteira. Era assim a chegada à Ameijoeira e a entrada em Espanha. 

A parte seguinte desta etapa foi das mais interessantes do dia de hoje: a descida do rio Laboreiro ao longo de um vale encaixado cujas margens são partilhadas pelos dois países. Parecia que estávamos numa autêntica paisagem alpina, só faltava mesmo a neve nos cumes mais altos. Mas a água, essa não faltava, pelo que ao longo da descida fomos saciando a sede graças às inúmeras nascentes que nos iam aparecendo ao caminho. Abençoado inverno chuvoso! Seriam perto das 13h30 quando chegámos ao fundo do vale, mais precisamente à localidade de Ribeiro de Baixo, onde junto ao rio tivemos o nosso merecido almoço. Findo este, foi tirar as calças e o calçado e enfiar as pernas e joelhos dentro da água gelada. Ahh, que bênção para os joelhos e demais articulações que já deviam estar bem quentes com tanta caminhada.

Após este almoço foi tempo de nos fazermos ao caminho, agora para a próxima jornada desta primeira etapa, que nos havia de levar à mistura das águas. O percurso foi sempre por Espanha, ao longo da margem esquerda, estando o rio sempre omnipresente. A meio do percurso encontrámos uma sequência paradisíaca de 4 belos e profundos poços separados por cascatas cuja turbulência da água metia respeito. Muito bem aproveitado este local para a construção de um miradouro em madeira com vista privilegiada sobre o local, através fundos comunitários para o desenvolvimento local. Via-se claramente que estávamos em Espanha…

Finda esta pausa neste local estratégico de grande beleza, prosseguimos rio abaixo para as tão faladas misturas. Era precisamente este ponto que desde o início merecia a nossa preocupação: se todas as linhas de água e nascentes estavam a transbordar, como estaria a foz do maior afluente na confluência com as águas do rio Lima na albufeira do Alto Lindoso? Valeria a pena ter carregado durante todo o percurso, o peso adicional das botas vadiadoras? Começámos a ficar assustados com a aproximação, já que ao invés de vermos um rio de águas correntes e turbulentas, deparámo-nos com uma enorme e larga massa de água lêntica (i.e. de águas paradas) mesmo à nossa frente!! Quando fomos seguindo a parte final do track fornecido pelo owner para encontrar a dita passagem, nem queríamos acreditar no que estava à nossa frente!?! Seria possível? Será que não trocámos os tracks!? Inacreditável! Estávamos perante um braço da albufeira de profundidade considerável e de águas paradas! Aqui para atravessar só de barco!! Devíamos ter trazido um colchão insuflável e não as botas, logo pensámos…

Bom, parados é que não ficamos e ninguém volta para trás!! A estratégia passava agora por ir subindo o rio Laboreiro até encontrar um troço lótico de baixa profundidade que nos permitisse a passagem. E eis que de repente fez-se luz: mesmo á nossa frente uma ponte de madeira a atravessar o rio para a outra margem! Maravilha!!! Chegámos a Portugal, mas…e agora? Não há caminho..Como sair daqui e prosseguir para o rio Peneda e daqui para a outra margem? Toca de subir e descer pela encosta agreste vencendo silvas e algum mato cerrado. Atrás de nós o belo panorama (apesar de artificial) da albufeira no seu esplendor. O objectivo era agora chegar à margem esquerda do rio Peneda para aí passar para o outro lado. Eis no entanto que nos aparece mais um osso, este bem duro de roer: uma pequena ribeira cercada de silvas em toda a sua extensão. Cada passo que dávamos encosta acima ou abaixo para encontrar um ponto de atravessamento, já doía tal a falta de acessos e da abundância de vegetação arbustiva e espinhosa. Com a esperança já a esmorecer, eis que demos com uma pequena passagem perto da confluência que nos permitiu atravessar para a outra margem. Agora o derradeiro obstáculo era o rio Peneda, apesar de aparentemente ser mais fácil de atravessar (pela menor largura) que o “irmão” Laboreiro. Alguns caminheiros já demonstravam sinais de aparente cansaço e havia ainda muito para caminhar até chegar a Parada. Tínhamos de atravessar o rio Peneda sem mais demoras e de forma eficiente. E foi aqui que demos uso às botas vadeadoras :) Encontrado um troço relativamente pouco profundo, prontamente equipei-me com as ditas e fui passando todas as mochilas até à outra margem, sempre com alguma cautela, pois a velocidade da água era alguma e qualquer queda com as botas calçadas poderia ter consequências graves. Finda a passagem das mochilas, deu-se lugar à passagem, um a um dos caminheiros. Dentro das botas e com água até à cintura, a minha presença foi servindo como ponto de apoio para cada um…excepto para a minha mulher que a tive de transportar às cavalitas :) Estava concluída a passagem do último obstáculo fluvial. Tínhamos agora pela frente todo o percurso ao longo da albufeira até chegar à Várzea e daqui, depois para Parada, depois do Lindoso. Eram agora 18h30.

Sem mais demoras apanhámos o trilho que serpenteia ao longo da encosta sempre junto à albufeira do Alto-Lindoso e que nos haveria de levar à Várzea. Tinha visto previamente na carta militar que esta distância não era tão pequena quanto isso. Com efeito, após uma hora e meia – por volta das 20h, chegámos finalmente a esta pequena aldeia depois um trilho bem agradável ao final de tarde, sem dúvida a melhor altura para caminhar depois de um dia de calor. Por incrível que pareça, não foi nada fácil entrar na vila, já que a parte final do trilho estava literalmente inundada devido à cota (bem alta) do nível da água. Tivemos pois de improvisar e subir encosta acima até irmos ter a um terreno cultivado. Logo de imediato ouvimos uns gritos de um local que estava à janela a indicar-nos por onde devíamos prosseguir para (finalmente) chegarmos ao alcatrão da aldeia.

A chegada à Várzea coincidiu com o pôr-do-sol e ainda faltavam alguns quilómetros até à aldeia de Parada onde haveríamos de passar a noite. Mas ainda haveríamos de passar por uma dura provação: caminhar esta última jornada sob estrada asfaltada, o que literalmente acabou por ser um martírio para os joelhos. Agora sim, o cansaço acumulado já começava a fazer mossa e a obrigar-nos a paragens mais frequentes. Pelo caminho fomos deixando a aldeia para trás até cair finalmente a noite. Quando a escuridão já era alguma passámos ao modo dos frontais que pontualmente iluminavam o nosso caminho. Agora em cada curva esperávamos a todo o momento poder finalmente avistar o paredão do Alto Lindoso, o que só veio a acontecer quase 2 horas depois de sairmos da Várzea. Paragem para a última contagem do dia (as contas ficaram para o dia seguinte) antes de enfrentar a derradeira e acentuada subida de alcatrão até à aldeia de Parada. Neste último troço senti claramente que as forças de alguns elementos do grupo estavam claramente a esgotar-se, pelo que as paragens de descanso eram agora mais frequentes. Só pensava se todos nós acordaríamos no dia seguinte com forças redobradas para a segunda etapa do passeio, entre Parada e Portela do Homem, tendo pelo meio a expectavelmente dura subida da serra Amarela.

Foi com grande cansaço e muita satisfação quando por volta das 23h – quase dezasseis horas depois de termos deixado Castro Laboreiro – chegámos finalmente ao nosso alojamento na aldeia de Parada. Seriam um bom banho, um jantar retemperador e uma boa noite de sono, suficientes para nos colocar novamente, no dia seguinte, na rota das grandes caminhadas? Confesso que agora não pensávamos muito nisso, descontraidamente deixámos os acontecimentos seguir o seu caminho…

 

Dia 2 (03/Maio/2014): Parada – Portela do Homem (23,6 km)

A alvorada foi às 9h30, bastante mais tarde que no dia anterior em que há três horas já andávamos a palmilhar os montes. Mas os nossos corpos estavam mesmo a precisar de um descanso mais prolongado depois de uma estirada algo violenta como a de ontem. Sem dúvida que para isso muito contribuíram a complexa passagem das misturas, e sobretudo os quilómetros no alcatrão. Agora neste dia não havia nada disso, mas tão “somente” 2 desafios: a enorme subida da serra amarela e a passagem consequente para o outro lado do vale que nos levaria à Portela do Homem. Foi um pequeno-almoço reforçado que tomámos para fazer face a este primeiro desafio, mas não sem antes primeiro fazer tratamento às bolhas nos pés que alguns ganharam do dia anterior. As mazelas tinham sido atenuadas/curadas e novamente estava em alta o moral do grupo, pronto para mais uma aventura.

A primeira jornada desta segunda etapa soube que nem gingas: é que o staff do alojamento onde estávamos, teve a enorme amabilidade de nos levar de carro até à aldeia do Lindoso. O percurso de onde estávamos (Parada) até esta aldeia é mínimo, somente 2 km…mas eram 2 km em alcatrão!! De alcatrão já chegava o que tivéramos na noite anterior…

Foi pois às 11h30,cinco horas depois relativamente ao dia anterior, que começámos mais um dia de caminhada e aventura no PNPG. Conforme discutido previamente com o owner, para esta etapa havia que evitar o track feito anteriormente que nos levaria para uma jornada mais complexa e arriscada. Assim, o plano era tão somente chegar à Louriça (alt. 1369 m), cume da Serra Amarela, seguindo a série de caches dispostas ao longo de um antigo estradão (que entretanto viemos a saber que tem acesso a viaturas condicionado, o que felizmente não era o nosso caso) ao longo da encosta da montanha. A primeira parte foi pois encontrar esse estradão, o que foi relativamente fácil graças à cartografia do GPS. Agora não havia que enganar, era sempre a subir até às antenas.

À medida que o dia ia avançando, o calor ia também apertando. A solução era despir alguma roupa e refugirmo-nos, sempre que possível em pequenos bosques ao longo do caminho que, além de sombra, providenciavam também uma agradável fonte de água graças às ribeiras que por eles corriam. Aliás, a água não foi um problema nesta etapa como inicialmente pensávamos, já que ao longo de toda a subida, várias eram as nascentes de água que brotavam ao longo do caminho e que nos saciavam a nossa sede. Se soubéssemos de antemão, tínhamos evitado trazer água connosco, o que pesou e bem nas nossas mochilas. Á medida que íamos subindo (e aproveitando para procurar algumas geocaches no caminho), a paisagem que ia ficando para trás era cada vez mais avassaladora. Agora só perscrutávamos o horizonte das montanhas em busca do local onde no dia antes partíramos rumo a esta aventura, na longínqua aldeia de Castro Laboreiro. Na altura as antenas da serra Amarela eram somente uns riscos muito lá ao longe…agora estavam praticamente ao nosso alcance, já que a cada curva que fazíamos, a proximidade era cada vez maior. Após uma paragem na última casa a caminho do cume, já a uma altitude superior a 1100 m. e onde fizemos local de um muito agradável picnic (já tardio), prosseguimos então para a jornada final rumo às antenas cada vez mais próximas. Ainda assim foi pelo menos mais uma hora de caminhada até ao destino. 

A chegada às antenas (Louriça, 1369m de altitude) aconteceu por volta das 16h30, onde nos detivemos por alguns momentos a descansar e apreciar as magníficas vistas a 360º para o horizonte. Curioso observar para um lado a albufeira do Alto Lindoso (bacia hidrográfica do Lima) e para o outro, a albufeira de Vilarinho das Furnas (bacia hidrográfica do rio Cávado). Duas realidades geográficas tão distintas e agora tão próximas a um simples olhar. Espectacular também o vale do rio Homem que se abria literalmente à nossa frente bem lá ao longe. Aquele seria daqui a uns tempos, mais um local de passagem na nossa aventura. Mas não havia muito tempo para descansar, pois eram já 17h00 e teríamos de chegar ainda à Portela do Homem, preferencialmente antes do cair da noite. Agora, o desafio era mesmo observar os vales abaixo e encontrar um ponto de acesso até ao outro lado da montanha.

Começámos por seguir o muro de pedra mesmo ao lado da cache “Serra Amarela 4”, descendo sempre ao longo deste até onde seria possível. Acabámos então por dar com um precipício e escolher outra alternativa. A alternativa foi mesmo olhar para baixo e escolher um acesso menos mau, i.e. o menos inclinado possível e que nos permitisse descer com relativa segurança. Acabou até por ser mais fácil do que pensávamos, descendo calmamente em zig-zag para distribuir o esforço por ambas as pernas. Estávamos agora no fundo do vale com as antenas bem lá no alto onde outrora tínhamos estados. Agora tínhamos pela frente um troço que apesar de ser sempre a subir, seria bem menos exigente. Paragem aqui e acolá para mais um gole de água e uns breves instantes de descanso e eis-nos agora no outro lado da montanha, no encalço do ponto final da cache Contrabandistas, que posteriormente nos levaria à Portela do Homem. Eram 18h00 e ainda tínhamos pela frente umas duas horas de sol.

Subindo e descendo encostas a acompanhar magníficas paisagens de montanhas a perder de vistas, demos finalmente com o marco de fronteira que há muito procurávamos na vizinhança dos “Contrabandistas”. Já foi há quase 5 anos que aqui estivemos e não deixámos de nos impressionar com a espectacular envolvente que o local oferece, qual ponto perdido nas alturas numa linha fronteiriça de dois países. Seriam já 19h00 e o dia encaminhava-se para o seu fim. Esta é sem dúvida uma altura mágica para caminhar na serra, em que sentimos com maior intensidade alguns dos seus cheiros e cores, quando o sol finalmente atenua o seu calor abrasador dando lugar a uma suave e fresca brisa do fim da tarde, e em que alguma fauna começa a dar sinais de actividade, como posteriormente comprovámos com o avistamento de 3 corços. 

Ainda havia que apanhar o trilho já conhecido que descia para a Portela do Homem, o que não foi difícil graças à cartografia do GPS. Estávamos agora devidamente encaminhados para o nosso destino, bastando para tal seguir o trilho até ao fim (ou início), a escassos metros onde 2 dias antes deixáramos um dos carros. Esta última jornada foi mágica: que sensação de assistir ao pôr-do-sol entre as montanhas, apreciar o espelho de água cintilante da albufeira de Vilarinho das Furnas e as encostas da serra pintadas de amarelo que tão justificadamente lhe dão o nome. Agora era o silêncio entre todos que imperava ao longo do trajecto, esperando somente chegar ao carro e dali partir novamente para Castro Laboreiro. Foi assim precisamente às 21h30 que entrámos na Portela do Homem (onde se encontravam outros tantos carros estacionados, sinal de que deveriam haver vários caminhantes pelos montes acima) e demos por terminado mais uma etapa da nossa demanda pelas Montanhas Nebulosas. Para trás tinham ficado 2 dias de aventura e 65 km de trilhos na serra da Peneda, Soajo e Amarela, nos mais diversos cenários paisagísticos, desde o fundo dos vales até às altas montanhas. Agora faltava o derradeiro desafio, aquele que é tantas vezes falado e que muito poucos têm o privilégio de concretizar: o percurso Portela do Homem – Pitões das Júnias, a travessia da serra do Gerês. 

 

Dia 3 (04/Julho/2014): Portela do Homem – Minas dos Carris (18,1 km)

Pouco mais de 2 meses após a aventura inicial pelos trilhos do PNPG, eis-nos de volta à acção para a derradeira fase desta longa caminhada. A dúvida permaneceu até à véspera deste dia, já que as previsões meteorológicas apontavam para tempo com alguma nebulosidade e com possibilidade de chuva no Sábado (dia 5). Todavia decidimos ainda assim correr esse pequeno risco, já que as previsões do fim-de-semana seguinte davam conta, ao invés, de elevadas temperaturas (acima de 30ºC) na região, facto que queríamos naturalmente evitar.

Após a chegada tardia (por volta da meia noite) na véspera a Pitões das Júnias, e depois de meia dúzia de horas de condução automóvel, poucas horas de sono nos restavam até à madrugada seguinte, onde por volta das 6h teríamos à nossa espera o transporte que nos havia de levar até à Portela do Homem. Entretanto toda a roupa (saco-cama e esteira incluídos) e material necessário já tinham sido previamente preparados minuciosamente para nada falhar. Escusado será dizer que com todo o frenesim do dia anterior e a expectativa para os dias que se haviam de seguir, quase não pregámos olhos nessa noite. Mas isso nem nos afectou minimamente, pois o sabor da aventura e adrenalina falou sempre mais alto e já só queríamos estar de volta ao que mais gostamos no Gerês: caminhar, caminhar, caminhar.

À hora combinada (6h) lá apareceu o nosso transporte no ponto de encontro em Pitões que nos levou a partir daí, via Espanha, até à Portela do Homem, onde chegámos por volta das 7h. Agora a partir daqui estávamos por nossa conta durante os próximos 2 dias, com um dia de pernoita planeado para a povoação abandonada das Minas dos Carris. O objectivo era tão somente fazer a travessia integral da Serra do Gerês, uma caminhada mítica entre P. do Homem e Pitões das Júnias onde relativamente poucos se aventuram. Vamos a ela então…

Com o track carregado no gps, de imediato iniciámos a ascensão do trilho da cumeada, um caminho inédito para os Carris que até agora desconhecíamos, já que as 3 anteriores ascensões a este local tinham sempre sido feitas através do trilho do vale do Rio Homem. Seria pois uma novidade este novo percurso…e que agradável novidade! A primeira parte do percurso foi feita sob acentuado declive e por entre vegetação arbustiva de algum porte que na altura se encontrava bastante molhada devido à chuva do dia anterior. Ainda bem que vínhamos munidos de calças anti-transpirantes, já que num ápice estavam todas molhadas devido ao contacto com os arbustos, mas que logo depois secaram nas elevadas altitudes e já com o Sol a cantar canções de amor aos lírios.

Pontualmente íamos parando para apreciar toda a grandiosidade das serras em redor (sobretudo da Amarela), do vale do rio Homem, e mais ao longe, da albufeira de Vilarinho das Furnas. Foi aliás numa destas pausas que demos conta de vozes vindas de mais abaixo de cujos vultos estavam cada vez mais prestes a alcançar-nos. Eis pois que quase do nada aparecem dois caminhantes a vencer rapidamente a montanha num passo acelerado, quais cabras-montesas saltitante de rocha em rocha. Apresentações feitas e eis-nos neste fim de mundo na presença de mais dois geocachers: o lirassis e outro caminhante. Tal como nós, também eles iam fazer a travessia da serra do Gerês…mas somente em 1 dia…sem pernoita portanto. Ainda tinham muito que andar, e nós também, já que os nossos planos previam alguns desvios para procurar outras caches em locais mais afastados. Feitas as despedidas, cada um seguiu no mesmo caminho em modos de velocidade diferentes. 

À medida que progredíamos no terreno, as grandes paisagens do Gerês iam-se ampliando e revelando toda a sua grandiosidade. Agora estávamos já a uma altitude considerável onde podíamos, de uma nova perspectiva, apreciar a beleza do vale do rio Homem. Logo vieram à memória os grandes banhos tomados naquelas lagoas cristalinas de águas frias e de outros passeios passados. Agora a aventura era outra, a novidade era grande, e só queríamos continuar a desbravar este novo caminho que nos era desconhecido e que não parava de surpreender.

E a surpresa não cessou mesmo, já que acabáramos entretanto de chegar a um autêntico monumento natural perdido na serra, um imponente arco de pedra formado quiçá por forças geológicas que ao longo do tempo terão moldado esta paisagem com alguns toques caprichosos. Foi o caso deste local que certamente vale a pena conhecer, e onde futuros aventureiros poderão encontrar mais uma cache para satisfazer ainda mais os momentos de aventura passados nesta verdadeira encosta do Sol. 

Aqui mesmo foi o local escolhido para um merecido picnic antes de nos fazermos ao caminho novamente. Agora o destino era o vale das Sombras, local da antiga mina de volfrâmio que há muito cativava a nossa curiosidade, e para onde as atenções estavam agora voltadas. Poucos mais de 2,5 km nos separavam deste destino, ao longo dos quais pudemos sentir toda a tranquilidade, beleza e silêncio que dominam estas altitudes pontilhadas por alguns maciços graníticos de formas caprichosas. 

A chegada ao vale das Sombras aconteceu por volta das 15:30h. Para quem planeava pernoitar nas Minas dos Carris tínhamos muito tempo para nos dedicarmos a explorações pela zona. E foi isso mesmo que fizemos, começando por deixar as mochilas cá em cima (e georreferenciando esse ponto, não fosse a memória falhar) e descendo ao longo do trilho de pé posto que nos levaria às antigas instalações mineiras. Estas são de pequena dimensão se se comparar com as vizinhas dos Carris. Ainda assim, deu para perceber que o local já terá testemunhado uma intensa actividade mineira aquando na corrida ao volfrâmio em plena 2ª guerra mundial. 

Foi então altura de penetrar na escura mina em busca de mais uma geocache e de entrar noutro mundo. A primeira sensação que se tem assim que se enfia a cabeça no buraco, é de uma intensa frescura a vir da escuridão. Gostava de ter um termómetro para medir esta diferença de temperatura entre o interior e exterior que não será tão pequena quanto assim. Após andarmos os primeiros metros, eis que damos de caras com um autêntico vagão para transporte de minério! Fabuloso! E como esta estrutura ainda assenta sobre os carris. Depois os frontais fizeram o seu trabalho e levaram-nos até outros recantos da mina onde a escuridão era total. Cumprido este objectivo, regressámos ao exterior, sentindo novamente este brusca diferença de temperatura. Ficou a curiosidade de saber até onde é levariam que as três derivações encontradas no interior da gruta...

E também de saber um pouco mais da história deste local, quase desconhecido, quando comparado sobre os registos documentais e fotográficos dos vizinhos Carris.

A partir daqui empreendemos nova subida para a zona planáltica onde tínhamos deixado as mochilas e onde pudemos mirar com toda a clareza o próximo e imponente objectivo: o pico do Sobreiro (alt. 1537). Era sem dúvida uma enorme, acentuada e desgastante subida que tínhamos pela frente. Mas nada de desanimar, antes pelo contrário. Cada objectivo ultrapassado dava-nos ainda mais ânimo para vencer o seguinte. Ainda foram como tal algumas as vezes que parámos para uma pausa e para um gole de água, aproveitando simultaneamente para vislumbrar os horizontes e encher os pulmões deste ar isento de microorganismos. Talvez tenha sido das subidas mais desgastantes desta cache, mas felizmente podemos dizer que o tempo muito ajudou. Fazer esta caminhada, e em particular esta subida com temperaturas de 30ºC ou mais deve ser altamente extenuante.

E como pudemos constatar ao longo desta etapa da caminhada (Portela do Homem – Pitões das Júnias), ao contrário da anterior, a água é claramente aqui um factor limitante. Lembrem-se disto caros exploradores, e tragam muita água se estiverem dias de calor, pois aqui é um bem bem precioso e escasso. Se não me escapa a memória, a única que encontrámos e onde reabastecemos, foi num pequeno afluente do rio da Amoreira, a linha de água que passa no vale das Sombras.

Seriam aproximadamente 18:00h quando finalmente atingimos o pico do Sobreiro (alguns ficaram no sopé a descansar da acentuada subida) e nos deixámos ficar alguns minutos a observar a paisagem envolvente a 360º. É sem dúvida de uma grandiosidade a vista que se alcança deste ponto, somente 8m de cota abaixo relativamente à Nevosa (alt. 1545m). Alguns de nós escolheram literalmente um poiso onde se deixaram ficar nos minutos seguintes em silêncio comungando com esta solidão granítica; outros ao invés, decidiram explorar o local mais em detalhe, aproveitando para procurar outra geocache nas redondezas. Um magnífico spot sem dúvida, e um dos recantos mais isolados do Parque. 

O sol ainda ia bem alto, não estivéssemos em plena na altura do solstício em que o dia vence a noite, quando finalmente inflectimos para o destino do dia: a povoação abandonada das Minas dos Carris onde passaríamos a noite. Desde o pico do Sobreiro até este local foram aproximadamente 45 minutos que de fizeram sempre bem, já que agora era sempre a descer. Primeiro foi a silhueta da lagoa de lavagem do minério a aparecer, sendo que logo depois iam sendo pouco a pouco visíveis os contornos dos velhos edifícios e habituações. Apesar de já serem 3 as vezes (com esta a quarta) que aqui vimos, nunca me canso de voltar a este local místico. Não deixa de ter um certo fascínio caminhar por entre estas ruas e casas que outrora viveram tempos áureos, cheios de vida, sons, cores, e que agora não são mais que ruinas perdidas no tempo à mercê dos elementos das natureza que todos os anos roubam mais um pouco do pouco que já resta. Seria certamente um dia-a-dia de muitos sacrifícios que estas gentes enfrentavam, perdidas nesta vastidão e solidão granítica da serra do Gerês onde os elementos naturais nestas altitudes não davam certamente tréguas. Muitas histórias devem ter estas paredes e galerias para contar…

Chegados ao Carris por volta das 18:50h, a primeira coisa com que nos deparámos foi uma visão única de uns 12-15 corços que apareceram de dentro de uma ruína e que de imediato se puseram em fuga montanha acima, onde um a um foram desaparecendo por entre os arbustos dos penedos. Inesquecível! Quanto a nós, ainda tínhamos muito tempo antes de a noite cair. Havia no entanto muito trabalho a fazer, pelo que de imediato distribuimos tarefas. Dividimos-mos em 3 equipas e cada uma partiria numa direcção diferente para a aldeia. Objectivo: procurar um abrigo com telhado para passarmos a noite. Ao fim de algum tempo de procura, eis que encontrámos um possível local de pernoita onde pelo menos ainda havia paredes e tecto. Todos os restantes elementos concordaram que este era o melhor local para ficarmos, pelo que de imediato foi eleito!

Fase seguinte: limpar o dito abrigo por dentro, livrando-o de toda a sujidade acumulada. Sim, porque pelo lixo acumulado este era claramente o local onde muitos já devem ter ficado…e onde infelizmente deixaram lixos dos mais variados tipos (garrafas, latas, plásticos, etc.). Havia pois numa primeira parte de retirar esta lixarada toda para fora e acondicioná-la nalgum tipo de saco/contentor, coisa que de imediato fizemos. Utilizámos galhos de arbustos secos quebrados para fazer as vassouras que se portaram muito bem.

Uns dedicavam-se à limpeza, outros a procurar lenha/galhos para fazer uma fogueirinha para o jantar e quiçá nos aquecermos nos instantes finais antes de nos deitarmos. Varrido o chão e retirada/acondicionada a lixarada, foi altura de magicarmos como iriam lá caber dentro 6 pessoas. Testámos uns quantos arranjos com as esteiras, com resolução matemática de “impossível” a não ser que enviássemos alguém para dormir ao relento ou num abrigo de pastor (havia 2 bem perto), coisa que prontamente descartámos. Acabou por se colocar todas as 6 esteiras lateralmente, umas ao lado das outras. É claro que ninguém iria conseguir esticar completamente as pernas, estava-se mesmo a ver. Enfim, lá íamos dormir todos enconchados uns nos outros. Se é que se pode chamar “dormir” ao tempo que passámos deitados até ser madrugada.

Antes ainda houve tempo para um jantar de picnic, posteriormente finalizado com uma bela chouriçada ao lume trazida pelo JorgeGP. Após uma breve caminhada local para acelerar a digestão onde pudemos contemplar o cair da noite sobre a Nevosa e vales circundantes, regressámos para a vizinhança do abrigo, para mais dois dedos de conversa antes de nos deitarmos. A moral estava decididamente em alta e todos só ansiavam pelo dia seguinte, para mais uma valente caminhada. Mas agora havia que descansar…ou pelo menos deitarmo-nos e fechar os olhos até ser manhã.

Já se sabia que a noite não ia ser bem dormida. Não só porque o abrigo era manifestamente pequeno (ideal para 2 pessoas, mas decididamente insuficiente para 6), como as esteiras eram fraquinhas (também só custaram 5 euros), fazendo-nos sentir a mais pequena rugosidade no chão do abrigo (que também forrámos com lages de pedra onde havia falhas). Mas pelo menos ia ser mais bem passada do que aquela que passei aqui em 15 de Março de 2001, onde após um belo dia primaveril, a noite foi de intenso nevão e nem dentro de um saco-cama com casaco de penas vestido estava confortável. Longe disso!

Após fechada a entrada com 3 placas enormes de metal já que não havia porta, e colocados tijolos nas janelas (deixando contudo algumas frestas para passagem de ar), lá nos deixámos finalmente embalar pela noite e pelo silêncio (agora já nem as vacas se ouviam). O terreno era desconfortável e de 5 em 5 minutos lá havia alguém que tinha de mudar de posição, alterando o esquema previamente delineado de optimização da disposição corporal. Apesar de ninguém ter tido um sono profundo, pelo menos os músculos puderam repousar da enorme canseira do dia antes de mais uma valente jornada. Quanto a mim, como fiquei mais perto da “porta”, ainda levava com algumas correntes de ar fria que passavam pelas frinchas do metal. Lá me enfiei no saco-cama e desta vez até nem passei mal. E assim foi passada a noite até o Sol despontar para mais um dia…só que desta vez não vinha para ficar… 

 

Dia 4 (05/Julho/2014): Minas dos Carris – Pitões das Júnias (23,5 km)

A alvorada ocorreu poucos minutos após o Sol despontar no horizonte, por volta das 5h50. Um cenário de grande beleza, este que tivemos o privilegio de observar, com um autêntico mar de nuvens a cobrir os vales e montanhas lá muito mais abaixo, enquanto que aqui em cima ainda reinava um céu quase limpo, infelizmente não por muito mais tempo. Quanto à pernoita, apesar de ninguém ter dormido muito bem, foi um alívio assim que nos levantámos e pudemos finalmente ter o corpo todo esticado, i.e. de pé. Preparou-se assim um pequeno-almoço frugal, vestimos os “fatos de macaco” e às 7:10h, deixámos então para trás as Minas dos Carris. Tínhamos agora à nossa frente a travessia da serra do Gerês, mais de 20km de montanhas e vales sem qualquer vivalma e em plena comunhão com a natureza.

A primeira parte desta travessia levou-nos a atravessar todo o vale que no final do dia anterior tínhamos observado nas alturas aquando estivéramos no pico do Sobreiro. Em pleno vale não pudemos deixar de colocar a nossa atenção num belíssimo prado mais abaixo (já em terras de Espanha) e que parecia saído de um cenário dos bonecos animados da Heidi e Marco. Um local digno quiçá de passar a noite aquando de uma próxima travessia da serra. Pela frente tínhamos agora uma montanha bem alta para subir, e que logo nos fez ter um bom aquecimento para o que estava para vir. Felizmente seguimos por um trilho de pé posto quase imperceptível e que sem grandes dificuldades nos levou ao topo. Daqui pudemos observar todo o enquadramento da lagoa e povoação dos Carris situados na montanha oposta, do outro lado do vale. Era assim o último vislumbre deste místico local…

A partir daqui entrámos numa fase da caminhada menos desgastante em termos de acidentes de terreno, já que às habituais sequências de sobe vales – desce montanhas, sobrepunha-se agora um terreno mais planáltico, o que para a mesma distância, permitiu-nos fazer o percurso num menor espaço de tempo. Seguíamos agora quase sempre ao longo da linha de fronteira tão clara ao durante o percurso. Pelo caminho foram algumas as vezes que nos deparámos com formas estranhas que os elementos naturais esculpiram nestas rochas ao longo dos tempos. Nesta fase já o Sol se escondera dando lugar a enormes manchas de nuvens e nevoeiro que lambiam os penhascos e sorrateiramente silenciosas seguiam atrás no nosso encalço. Mal acabáramos de transpor um vale do lado ao outro, já a outra vertente que descêramos há minutos atrás se encontrava escondida pela cortina de nuvens. Tínhamos noção que a meteorologia neste dia não seria tão favorável como a do dia anterior, no entanto acarretámos a esperança de pelo menos não chover tal como estava inicialmente previsto. O nevoeiro no horizonte estava cada vez mais perto e agora era à nossa frente que se colocava, mesmo antes de descermos mais uma encosta. Fomos finalmente engolidos pelo dito, sem no entanto grandes preocupações já que não era tão denso quanto isso e estávamos claramente preparados para enfrentar tal adversidade. Simplesmente ora cobria-nos e ao horizonte por completo, ora levantava subitamente deixando-nos ver o que tínhamos pela frente. Desde que a chuva não começasse a cair tudo estava bem, embora nalgumas vezes perdêssemos o certamente espectacular enquadramento da sequência de vales e montes que nos cercava. A progressão era agora mais rápida já que o terreno – essencialmente com pequenos altos e baixos e com trilhos bem nítidos – a isso era propício. Fazíamos agora 2-3 km num curto espaço de tempo, quando comparados por exemplo com o sector Portela do Homem – Carris, em que os constantes e acentuados altos e baixos dificultavam bastante a progressão. O dia ia avançando e o nevoeiro, outrora fugaz e pontal, era agora mais constante e próximo de nós. Entráramos agora numa bonita zona planáltica pontilhada por algumas agulhas graníticas afastadas umas das outras. Precisamente numa dessas agulhas estava o último ponto intermédio de recolha informação desta cache. O fim estava assim relativamente próximo. Como já sabíamos que o final seria bastante exigente em termos físicos e psicológicos, e uma vez que nos encontrávamos relativamente próximos, a cerca de 1 km, decidimos fazer aqui o nosso almoço (versão picnic) agora imersos num manto de nevoeiro. Tempo também para subir, finalmente sem as mochilas atrás, até ao marco geodésico para recolha da última informação e consequente obtenção das coordenadas finais. Repostas as energias para níveis aceitáveis e redobrada a dose de optimismo, partimos então para a etapa decisiva desta jornada, ao encontro da cache final.

Faltavam menos de 500m para o GZ quando após descermos para um outro vale, avistámos finalmente à nossa frente dois enormes e imponentes maciços graníticos de proporções avassaladoras. Extensas franjas de nevoeiro cobriam-lhes parcialmente as encostas e a retaguarda, imprimindo-lhes um ar ainda mais respeitoso, alertando simultaneamente as nossas mentes que a tarefa não ia ser fácil. Após atravessar o pequeno ribeiro que se interpunha entre nós e os montes, rapidamente identificámos o maciço alvo onde a acção de desenrolaria. Foi então feita uma derradeira pausa para descanso, aproveitando para ler em voz alta alguns dos últimos logs, e daí tirar as respectivas ilações, delineando ao mesmo tempo possíveis estratégias de ataque à cache. Não havia dúvida que a direcção a seguir era o contorno da montanha pela esquerda, tarefa a que de imediato nos lançámos. Encontrávamo-nos agora novamente a subir a montanha tentando chegar ao sopé do maciço onde teríamos de procurar vias de acesso para progredir até ao topo. Quanto ao tempo, notávamos agora um ligeiro agravamento que se traduziu num progressivo adensamento do nevoeiro e no aumento da velocidade do vento. Parecia que a chuva estava iminente. O estado de espirito e o optimismo de alguns de nós começava a esmorecer, instalando-se mesmo a dúvida em alguns se o nosso empreendimento iria ter sucesso…

Havia pois que não perder mais tempo e acelerar a progressão se não quiséssemos ter eventuais surpresas desagradáveis. Assim, uma vez chegados ao sopé do maciço, escolhemos um local para descarregar todas as mochilas e acessórios e daqui partir, quais cabras-montesas, montanha acima. O cansaço acumulado derivado de 2 dias na montanha aliado a uma noite mal dormida, fez com que a maior parte do grupo se ficasse pelo sopé, aguardando esporadicamente por notícias dos que iriam progredir para o topo. Juntamente com o mecasantos, fui um dos que tentou a primeira abordagem para o cume. Com maior ou menor dificuldade e sempre com muito cuidado onde colocávamos os pés, fomos vencendo os diferentes patamares até chegarmos finalmente a uma pequena passagem para o topo com grande inclinação. Para subir não era muito arriscado, mas o pior seria a descida…muito perigosa, e se um pé falhasse, haveria certamente consequências trágicas. Decidimos então que somente um de nós tentava subir enquanto que o outro ficava atrás dessa passagem, dando o apoio necessário na subida, mas sobretudo na descida. O mecasantos transpôs com sucesso essa passagem enquanto que eu fiquei a aguardar por notícias atrás da passagem. Ao fim de poucos segundos estas finalmente chegaram mas não eram nada boas: não só não havia qualquer cache, como ainda havia outro cume mais alto por trás e esta não era decididamente a melhor forma de chegar até lá. Seria impossível nas actuais condições (sem cordas e material de segurança), para além de comportar um enorme risco.

Agora era o desânimo que estava amplamente estampado nas nossas faces. A dúvida ficou por momentos instalada e as pernas pareceram fraquejar ante a perspectiva de um eventual insucesso de chegar ao objectivo. Tudo estava agora em causa, e não era apenas a caminhada de hoje, mas também todos os 3 dias anteriores passados nesta região e toda a logística, preparação e perspectivas postas em marcha neste período de 2 meses que mediou entre as duas grandes caminhadas no PNPG. Olhando para baixo não víamos ninguém do grupo uma vez que o nevoeiro já encobria quase todo o sopé do maciço. Apenas gritos do resto do grupo que vinham de baixo, questionando se já tínhamos concretizado a missão.

Foi com enorme desilusão que comunicámos o insucesso, não podendo ir mais além do que tentáramos. Como que ainda mais a piorar o cenário, começavam agora a cair pequenas gotas de chuva, sinal de que o tempo não estava para brincadeiras, sobretudo para andar a trepar maciços rochosos onde o cuidado já era pouco.

Encontrávamo-nos agora a descer para a base por outro caminho, na vaga esperança de poder encontrar uma via de acesso para este cume onde estaria a cache. Do patamar onde estivéramos minutos antes da subida, desviámos ainda mais lateralmente com o objectivo de procurar vias de acesso. Nesta altura já se tinha juntado a nós o JorgeGP, pelo que éramos agora 3 pessoas em busca da cache. Foi ao passar uma pequena saliência agachados, que demos de caras com um pequeno canal de elevada inclinação, limitado em ambos os lados por paredes de rocha, e que levava indubitavelmente para o cume. Tínhamos acabado de encontrar a via de acesso há muito procurada!! A progressão não seria fácil, mas pelo menos comportava muito menos riscos que a via anterior, já que agora estávamos protegidos de ambos os lados pelas ditas paredes de rocha. Somente a inclinação e o receio de escorregarmos para baixo (com uma queda bastante feia) causavam alguns calafrios. Mais uma vez delineámos uma estratégia de acesso com um mínimo de riscos: eu e mecasantos iríamos subir ao cume e o Jorge GP ficaria na base deste canal dando apoio sobretudo aquando da nossa descida que seria mais complicada. 

Prontamente iniciámos então a subida, rastejando ao longo do canal como autênticas serpentes, utilizando pequenas saliências na rocha como pontos de apoio para os pés. Evitando sempre olhar para baixo, fomos progredindo montanha acima, até finalmente nos agarrarmos a um arbusto isolado e a partir daí à aresta da primeira rocha do cume. O mecasantos foi quem o atingiu primeiro, seguido logo de mim que vinha atrás. O meu instinto natural foi de imediato dar um passo em frente para a plataforma mais abaixo e quando o fiz, eis que encontrei a meus pés, aquilo que tinha sido o objectivo da nossa demanda durante meses, a razão de todos os nossos passeios nos últimos tempos: um monte de pedras que por baixo escondia o tesouro final! Grande alegria que se apoderou de nós neste momento! O nevoeiro cerrado, as gotas de chuva que nos batiam na cara, o silêncio que vinha de baixo...mas tudo isso era agora indiferente. Tínhamos completado a missão com êxito e todas as estratégias, logísticas planeadas e provações por que passámos tinham sido plenamente justificadas. O tempo não dava tréguas, pelo que foi então altura de consultar a informação recolhida ao longo dos 4 dias e obter o código que nos permitia ter acesso ao logbook. Com enorme satisfação assinámos o dito e preparámos a derradeira descida que se previa bastante complicada. 

Curiosamente a descida custou bem menos do que esperávamos. Fomos literalmente deitados de barriga para baixo, lentamente descendo ao longo do canal. Sem dúvida que a presença do Jorge GP mais abaixo na base, nos deu uma confortável segurança. Já num patamar de relativa segurança, mirando muito abaixo os restantes elementos do grupo semi-tapados pelo nevoeiro, acenámos e demos vivas ao êxito da nossa missão. As “Montanhas Nebulosas” tinham sido conquistadas!

A chegada ao sopé do maciço onde os restantes caminheiros nos aguardaram foi coroada com grande entusiasmo, afinal a nossa demanda tinha chegado a bom porto e todos sentiam enorme satisfação por a missão ter sido cumprida. Havia agora que empreender o regresso a Pitões das Júnias, já relativamente próximo e aproveitar posteriormente a noite para carregar baterias.

O regresso a Pitões das Júnias foi quase todo feito debaixo de uma chuva miudinha (por vezes mais intensa) irritante. As paragens eram agora quase escassas, já que não só estávamos bem mais perto de casa, como o terreno era agora bem menos exigente e árduo. Por outro lado, parecia que a conquista do nosso objectivo nos tinha dado uma dose extra de vitalidade e força. Caminhando pelo trilho fora fomos progressivamente encontrando alguns sinais que o fim estava próximo: primeiro uma pequena ponte de madeira construída sobre um pequeno ribeiro, depois uma calçada que subia até um ponto alto, e posteriormente um veículo todo-o-terreno estacionado numa picada que nos levaria de volta, ao fim de 2 dias, à estrada de alcatrão e consequentemente à civilização. Chegados ao alcatrão, e em detrimento da experiência adquirida na primeira parte do percurso (C. Laboreiro – Parada), de pronto caminhámos os últimos 2 km pelas bermas de terra, evitando deste modo desgastar ainda mais os joelhos. Às 18:00h, e debaixo de chuva insistente, chegámos finalmente a Pitões das Júnias depois de um total de 107,2 km percorridos em trilhos, terminando deste modo a aventura nas Montanhas Nebulosas.

 

EPÍLOGO

Chegados à residencial, um banho quente foi o melhor tónico para a desgastante aventura do dia, antes mesmo de um jantar retemperador onde pudemos saborear o prazer de uma refeição quente e saborosa à base do melhor que esta zona tem para oferecer. Infelizmente não pudemos contar com a presença do Portubal uma vez que as dores derivadas de um problema físico não permitiram a sua estadia connosco por mais um dia. Mas no final fizemos um brinde a todos nós e ao sucesso da nossa aventura, desejando que estes momentos se perpetuem por muito tempo.

Aqui termina a descrição desta aventura que já vai longa. Tal como referido pelo mecasantos no respectivo log, é óbvio que esta cache nos deixará marcas para toda a vida. Foram momentos inesquecíveis estes que passámos ao longo destes 4 dias no PNPG, onde pudemos viver em plena harmonia com a magnífica paisagem envolvente à nossa volta e apreciar verdadeiramente as sensações de solidão e imensidão que tanto nos fazem falta no nosso dia-a-dia sempre apressado. Verdadeiramente falando, não foi a montanha que conquistámos mas sim a nós próprios.

Muito obrigado aos owners desta cache por nos terem proporcionado esta fabulosa aventura de 4 dias que jamais iremos esquecer. Aproveitamos também para agradecer aos que nos deram conselhos e dicas para que esta aventura fosse o mais bem preparada possível, e em especial ao João Oom (joom), António Cruz (Valente Cruz) e Inês Fontes (Team Camaches). A todos um muitíssimo obrigado!

 

 

 



Login to post comments

Newsletter