03de Julho,2022

Geopt.org - Portugal Geocaching and Adventure Portal

21 April 2011 Written by 

Geotalk - Hugo "Hot_Marmota" Ferreira

Owner da cache nomeada aos Prémios GPS pelo distrito do Porto - Marégrafo do Porto

 

Como é que o geocaching apareceu na tua vida?

Quem me falou no geocaching foi o Spacebadger, que é o designer da coin portugal 2010. Disse-me que existiam uns malucos que escondiam caixas de maneiras muito engenhosas, até existia uma no meio de um relvado ( Era a the  Fortress  Mole do Walcarr).

Lisboeta de gema, qual a razão de todas as tuas caches se encontrarem principalmente no Norte de País?

A principal razão é que eu, até à dois meses a trás, exercia a minha profissão no Aeroporto Francisco Sá Carneiro. E como a minha família estava em
Lisboa e eu não gosto de limpar o pó à casa, tinha de matar os tempos 'mortos' num hobby.

As tuas caches são conhecidas pelo engenho dos containers. De onde vem a tua inspiração?

Sempre gostei de engenhocas e trabalhos manuais, e o Walcarr fazia umas caches muito boas. Eu queria ter caches com  containers de qualidade equivalente ou até superior às dele. E detesto os sacos pretos.... Só uma sai desse padrão de exigência, a do Parque Urbano, mas assim que puder vou mudá-la.


O Marégrafo do Porto é uma das caches nomeadas que tive o prazer de a fazer ainda antes de ser publicada. Recordo com muita saudade os mais de 90 minutos que um batalhão de geocachers demorou para a conseguir identificar. Como recordas esse dia?

Recordo que foi um dia muito porreiro e frio... coitados dos Beta Testers. Foi o culminar da minha busca para igualar o Mestre Walcarr, criar uma cache com ele em que ele deu o spot e eu o container. Foi uma noite bem passada com uns conhecidos que iriam passar a amigos de quem eu não vou esquecer.

É um orgulho para ti ter esta cache nomeada?

É sempre bom ter uma cache em que foi reconhecida a sua qualidade, mas esse reconhecimento é mais importante de ver nos logs. Depois do trabalho que cada container tem sabe bem ver que não foi em vão (para quem não sabe, cada container do marégrafo, antes de ser colocado ao serviço, sai de uma loja a reluzir e demora 3 dias a atingir aquele estado).

De todas as caches nomeadas do distrito do Porto, qual a tua preferida?

Já falei aqui dela, a The Fortress Mole, não só pela cache em si, mas também pelo que ela representa para mim, o início de tudo.

Fizeste grandes amizades no Norte e recentemente descobriste uma nova paixão. O que representa para ti o Gerês?

Não foi bem uma descoberta mas uma redescoberta. Com um grupo de bons amigos redescobri o prazer da caminhada ( já pertenci ao clube das meinhas). Mas o Gerês é o mestrado das caminhadas, tanto em dificuldade como em beleza.

Qual a história mais engraçada que o geocaching te proporcionou?
 
Lembro-me de uma noite, depois de um fantástico jantar Geobordel (jantar de homens do Geoboicote) na caverna do Mota, que fomos fazer a cache da Senhora da Paz, dividimos-nos entre dois 4x4, um puro de duro e outro SUV de facho.

Depois de fazer algumas caches pelas redondezas, atacamos a subida que estava em mau estado. Para negociar uma passagem, saímos do SUV para ver como o puro e duro se safava. Eis quando, o SUV atacado por uma alma penada que por ali rondava (eu não sei, mas também não vou culpar o Insano), resolve trancar as 4 portas deixando a chave solitária na ignição.....

Como o caminho ficou barrado pelo SUV, restou-nos a hipótese de ir buscar a chave suplementar a casa ou partir o belíssimo cristal que nos separava da chave. Geocacher que se prese faz as coisas pela maneira mais difícil, ficou decidido ir de Esposende à Maia, às 2 da manhã arrombar a porta de casa (sim, essas chaves também estavam no carro).... Mas faltava-nos um cachemobile.... Tivemos que telefonar a uma Boizola (Membro feminino do Geoboicote) que já estava a dormir, pois não era a noite delas, para nos dar uma boleia para um outro cachemobile que nos levasse à Maia.

Chegado à Maia, começou a tarefa de entrar em casa. Tentamos a porta, mas esta não estava no trinco mas sim devidamente trancada com 4 voltas de chave. Restou-nos arrombar uma janela pois felizmente a casa era num rés do chão. A janela ainda resistiu um pouco, mas nada que um barrote de madeira que se encontrava por ali perdido não resolvesse. Não sem antes acordar a vizinha de cima, que felizmente não chamou a polícia e apareceu à janela.

Já com a chave na mão regressamos a Esposende para retirar o dito cujo do caminho e completar mais uma cache.... Já era perto das 4 da manhã.
Nota mental: Retirar a chave da ignição quando se sai do carro, nem que seja por um minuto.

O GeoPT.org é um projecto que viste e ajudas-te a nascer. O que pensas dele e desta iniciativa em concreto?

Vejo com orgulho o GeoPT.org, como um filho de um grupo de amigos, que se emancipou e está a voar sozinho, livre de constrangimentos e tabus. Vejo-o como uma comunidade, que não se quer consensual, em que qualquer um pode dar a sua opinião sendo só julgado pelos seus pares.
Neste dia 25 desejo um feliz primeiro aniversário, em que relembro com saudade uma noite bem passada, de 24 para 25 de Abril, no Headquarter do GeoPT.org.

A toda a comunidade, um grande Abreijo, e espero que se divirtam nesta actividade, deixem os stresses no trabalho.


Obrigado Hugo. Um forte abraço!


1 comment

  • Comment Link prodrive
22 April 2011 prodrive

    Óptima entrevista! Para que o ciclo se complete, falta apenas a insígnia de Cache Nomeada no Marégrafo do Porto :)

Login to post comments
Geocaching Authorized Developer

Powered by Geocaching HQ
Geocaching Cache Type Icons © Groundspeak, Inc.
DBA Geocaching HQ.
All rights reserved. Used with permission.

Newsletter