19de Outubro,2018

Geopt.org - Portugal Geocaching and Adventure Portal

01 October 2017 Written by 

Regresso às Montanhas Nebulosas

Quando, há cerca de cinco anos atrás, percorremos as nossas Montanhas Nebulosas (GC3C7J6), estávamos então longe de imaginar que a experiência ganharia um lugar tão especial nas nossas memórias e no imaginário de quem gosta destas aventuras e se sente tentado a realizar o desafio. A ideia surgiu um pouco por acaso e sem um propósito definido. A cache e os seus pormenores apareceram apenas depois. O importante era o caminho e a experiência: atravessar o Parque Nacional Peneda-Gerês (PNPG), vagueando pelas serras Peneda, Soajo, Amarela e Gerês, aproximando o percurso à linha de fronteira, desde Castro Laboreiro até Pitões das Júnias.

Cinco anos volvidos, acalentei a esperança de voltar a realizar o percurso num único dia e em modo trail. Porém, à falta de companhia e da melhor preparação, acabei apenas por acompanhar os fantásticos resistentes no último dia da sua demanda, desde a Portela do Homem até Pitões das Júnias. A alvorada deu-se sem necessidade de o galo cantar e a horas impróprias. Cheguei à Portela às 7 da manhã, já num crescendo de expetativas. Após reencontrar os companheiros da aventura (Flora, Gustavo, José, Filipe, Bruno, Jorge e João), arrancámos cheios de coragem pelo trilho da Encosta do Sol. É um dos meus preferidos no Gerês e o melhor para alcançar o topo desta serra de encantos.

À medida que fomos subindo, o sol começou a surgir pelos montes e venceu as sombras. Ao longe, o Pé de Cabril foi um dos primeiros pontos a ser iluminado e parecia um farol que nos guiava pela serra. A albufeira de Vilarinho da Furna emergiu então no horizonte, formando com o Pé de Cabril um cenário muito fotogénico. Mais acima, o Arco das Albas, ainda pequeno, mostrava-nos o caminho a seguir. Um outro ponto de interesse com este trilho prende-se com facto de estarmos a calcorrear a cumeada que fica sobre o vale do rio Homem, proporcionando assim muitos momentos de espanto vertiginoso. A passagem pelo Arco assinalou sensivelmente o meio do caminho entre a Portela e o Pico da Nevosa e emoldurou-se como um dos locais mais icónicos de todo o percurso.

Monte atrás de monte, avistámos uma enorme roca que domina a encosta: a Laje do Sino, que eu erradamente pensava que seria o Altar dos Cabrões, referenciado pelo Torga. Enfrentámos depois a subida para o Pico Sobreiro, onde aproveitámos para almoçar as grandes vistas. Para chegarmos ao céu geresiano faltava apenas a subida para o Pico da Nevosa, o ponto mais alto do PNPG, que é muito reconfortante de alcançar. Dali sente-se a verdadeira imensidão solitária do Gerês profundo. Após uma passagem pelo vizinho Alto da Nevosa, na Serra do Xurés, descemos do planalto e fomos avançando sem grandes dificuldades, mas já tocados pelo cansaço. Avistámos a Fraga do Paúl e a Fonte Fria, na certeza que as maiores dificuldades estavam vencidas. Alcançámos depois o topo das Montanhas Nebulosas, num momento que teve tanto de incrível como de belo. O sol deslizava no horizonte para o ocaso e desenhava cores fantásticas nas nuvens.

Aproveitei para subir primeiro e fazer uma pequena alteração na localização do recipiente, tendo ficado agora mais acessível. Cinco anos volvidos desde a sua colocação, creio que sou agora uma pessoa mais ajuizada e temerária, visto que não me senti muito confortável para o alcançar na sua posição inicial. Quando os companheiros chegaram, foi fantástico sentir a sua felicidade por terem alcançado o merecido final para uma difícil caminhada de três dias pelo PNPG. Tornou-se um momento verdadeiramente memorável!

O pôr-do-sol incrível acabou por significar que o resto da caminhada até Pitões teria de ser feito entre o lusco-fusco e a escuridão. Porém, apesar do cansaço, creio que hoje ninguém trocaria aquele momento mágico ao pôr-do-sol pela possibilidade de terminar de dia. Seguindo o trilho restante, descemos para Pitões e fizemos a parte final já em descanso, um merecido prémio pelo esforço. No total, os 33 km demoraram cerca de 14 horas.

Se o percurso foi fantástico, o jantar e a pernoita prometiam ser épicos! Fomos revisitar o fascinante Mosteiro de Pitões das Júnias e partimos para mais uma edição memorável da Sopa da Pedra. Palavra para o magnífico trabalho do Américo, que foi inexcedível. Estou certo que todos guardaremos com um enorme sorriso na memória aquele jantar à volta da fogueira num cenário magnífico. Manhã cedo, arrumámos tudo, reconfortámos as barrigas e despedimo-nos de Pitões em busca dos banhos revigorantes de Lobios, onde fomos amenizar as mazelas do corpo. Sinceros e sentidos parabéns a todos pela forma hercúlea como venceram as vossas Montanhas Nebulosas e obrigado por terem tornando este desafio ainda mais especial!

Guardar

Guardar



1 comment

  • Comment Link prodrive 04 October 2017 prodrive

    Excelente artigo sobre uma aventura ímpar!

Login to post comments

Newsletter