19de Setembro,2020

Geopt.org - Portugal Geocaching and Adventure Portal

04 March 2016 Written by 

Serra da Estrela

A planície aborrece-me. A apatia do horizonte, estendida até que o olhar se cansa do vislumbre. Talvez seja porque a própria alma parece ter sido forjada nas montanhas, trabalhada pelos cumes e depressões, onde o sol não chega a raiar certas encostas e as sombras murmuram desassossegos. Gosto de montanhas; gosto de olhar para cima e subir. Gosto da inquietude do seu relevo. Perder-me entre o silêncio intemporal dos trilhos que partilham o conforto das nuvens e conhecem os seus segredos. Viver as intempéries das serras e sentir a afetuosidade das suas gentes.

Fraga Negra

Ao ser desafiado para escrever sobre geocaching nas montanhas, o primeiro pensamento que tive foi precisamente como os meus últimos passos trilharam um casamento de sentidos entre estas duas palavras. Para além de outras valências fantásticas por ter descoberto este passatempo, confesso que uma das preferidas é precisamente o facto de o geocaching me ter reaproximado das montanhas. Recuando um pouco no tempo, e em jeito de inconfidência, lembro-me de na adolescência ter escondido um caderno no topo de uma serra, num local aonde gostava de regressar para escrevinhar algumas inquietações e outras histórias. Já há muitos anos que não passo por lá mas o caderno ainda lá deverá estar. Será que entretanto as palavras ganharam vida própria e as histórias cresceram? Um dia terei que lá voltar para saber. Não imaginava na altura que, alguns anos depois, descobriria o geocaching e as histórias continuariam a escrever-se à minha volta.

Numa primeira viagem pelo geocaching de montanha deambularei pelo Parque Natural da Serra da Estrela. E, antes de avançar mais gostaria de salientar que esta é apenas a minha visão, complementada com aquilo que vi e vivi por onde passei. Por certo existirão outras visões, trilhos, vivências e caches que também merecerão ser mencionadas; outras oportunidades virão. Importa também esclarecer que, ao escrever este artigo, libertei-me de regras ou imposições legais sobre os sítios a visitar. Livrei-me das vicissitudes e ficou apenas a intemporalidade das montanhas e a vontade das pessoas que por elas cirandam, em respeito pela Natureza.

Nascer do sol

Ao pensar na Serra da Estrela, o primeiro local-ideia que me assola é o Cântaro Magro (GCR9RW). Perene como um deus presente e confidente. Imagino que os povos que por ali passaram ao longo do tempo o tenham adorado como tal; um cenário perfeito para rituais de passagem. Pela forma, parece ser o deus-pai do mundo. E sendo assim, por certo o vizinho Cântaro Gordo (GCRYM3) deverá ser a deusa-mãe, sobranceira sobre a Lagoa dos Cântaros que acolhe as águas solitárias que escorrem das suas encostas. Voltando ao Cântaro Magro, creio que das melhores experiências que ele proporciona é precisamente a de dormir com ele. E aqui não estou, propositadamente, a referir-me ao facto de pernoitar ou dormir na montanha, mas sim a dormir com ela. Adormecer entre o silêncio do seu regaço; ser confidente dos seus murmúrios entre a vigília noturna; abrir meio olho durante a noite para contemplar a nitidez das estrelas no céu e acordar para o nascer do sol como se fosse o início do tempo.

Para além dos cântaros já referidos existe ainda o Raso (GC1KD2B) e um dos percursos míticos da Estrela é precisamente o que passa pelos três. Consoante a época do ano em que seja percorrido, as condições podem mudar drasticamente, em particular no que diz respeito às dificuldades. Com a existência de neve e gelo, as ascensões aos Cântaro Magro e Gordo tornam-se bastante mais técnicas e exigem que os montanhistas sejam experientes em situações semelhantes e possuam material específico. Usualmente, na ascensão ao Cântaro Gordo a neve oculta os buracos que existem entre os grandes penedos pelo que é necessário avançar com cuidado. Sem neve ou gelo, o percurso é exequível para a maioria dos caminhantes, desde que estejam minimamente preparados. Normalmente opta-se por iniciar o trilho junto ao Covão d’Ametade (GC12J04), seguindo em direção ao Vale da Candeeira. A dado momento segue-se por um trilho à esquerda e sobe-se para a Lagoa dos Cântaros. As dificuldades propriamente ditas podem começar a partir deste ponto, ao subir-se por uma cumeada. O trilho vai-se tornando menos evidente e mais íngreme à medida que se avança. Contudo, como sempre, alcançar o topo compensa todos os momentos prévios. As vistas para os vales e encostas limítrofes são fantásticas. Depois é possível descer para o Covão Cimeiro (GC1KHF4), que fica entre os Cântaros Gordo e Magro e seguir para este último. Pode-se também, no Cântaro Gordo, subir um pouco e chegar à estrada e daí seguir para o Cântaro Magro. Contudo, caminhar por alcatrão pode cansar o dobro do que o normal, pelo menos o olhar. Existe ainda um trilho que segue direto do Covão d’Ametade para o Cimeiro. O acesso final ao Cântaro Magro, ainda que pareça impossível da estrada – exceto como é óbvio em escalada – é relativamente acessível e sobe a encosta escarpada num pequeno teste às vertigens. Lá em cima, tudo se resume à pequenez que nos assola e qualquer descrição que aqui fizesse, por mais eloquente que fosse, tornar-se-ia tão efémera como uma brisa fresca no deserto. Em relação ao Cântaro Raso, o acesso faz-se a partir da estrada, que passa junto ao Magro, e é o mais simples dos três mas as vistas são igualmente reconfortantes. O regresso ao Covão d’Ametade é normalmente realizado por um trilho que desce ao lado do Cântaro Magro, conhecido com a Via dos Mercadores – ainda que existam outras referências a este nome num outro trilho da serra – e era usada para trazer gelo da zona da Torre quando não havia qualquer acesso alcatroado à mesma. Este percurso, com cerca de dez quilómetros, deverá demorar mais de sete horas.

Lagoa do Covão do Meio

Um outro trilho marcante da Serra da Estrela é precisamente aquele que sobe a Garganta de Loriga (GC15Q0E), um enorme vale nascido de um glaciar, partindo da aldeia e tendo como objetivo a Torre. Contudo, este trilho exige alguma logística visto que não é circular. A melhor altura para o desfrutar será quando existir alguma neve e gelo mas não demasiada para tornar a subida demasiado difícil ou perigosa para pessoas menos experientes em montanhismo. A subida inicia-se em Loriga e segue por um caminho florestal (GC40GQ9). Ao chegar-se a um planalto que fica sobre a aldeia, tem-se um primeiro encontro com a enormidade que se ergue diante dos caminhantes. Lá em baixo corre um ribeiro, formando pequenas cascatas até chegar à praia fluvial (GC33QKV), ótima para alturas de maior estio. O trilho torna-se então mais interessante e segue a montante das mariolas, ou caramoiços, pequenos amontoados de pedras que são os orientadores eternos e mais fidedignos das montanhas.

Lagoa do Covão do Ferro

Junto à entrada da Garganta pode fazer-se um pequeno desvio para aceder às minas de volfrâmio (GC3XZHH) que foram usadas durante a época da segunda guerra mundial e serviram para desenvolver a pequena economia local. Chega-se então ao primeiro Covão, o da Areia. Segue-se o Covão da Neve e chega-se depois à barragem do Covão do Meio (GC39QED), sendo que aqui encontra-se a parte visível de uma das maiores obras de engenharia realizadas na Serra da Estrela, num tempo em que o trabalho da eletricidade dava emprego à maioria das gentes da zona: um túnel com mais de dois quilómetros que vaza a água excedente desta barragem para a Lagoa Comprida. No inverno, o espelho de água do Covão do Meio, com as vertente a precipitar delicadas cascatas de gelo, dá ao cenário um toque de inefabilidade contemplativa que enche a alma a qualquer um. Com as encostas engalanadas de neve, torna-se uma experiência fantástica, em que o fundamental é não esquecer a máquina fotográfica. Durante o inverno, e dependendo naturalmente das condições meteorológicas, à medida que se sobe torna-se mais provável encontrar lagoas e cursos de água geladas onde é possível patinar. Junto ao Covão do Boeiro (GC1WBZF), que fica acima do anterior, o trilho segue pela direita em direção à Lagoa do Covão das Quelhas (GC23XK7) e daí prossegue para a Torre (GCGQQ5). O percurso tem mais de dez quilómetros e deverá demorar mais de seis horas.

Vale do Rossim

Outro percurso muito recomendável é o que parte das Penhas Douradas e segue para a Nave da Mestra (GC260X1). Ainda antes do início do trilho existem vários motivos de interesse como a visita Fragão do Corvo (GC1E6T2), que tem uma vista maravilhosa para a vila de Manteigas e Vale do Zêzere, assim como um passeio pelo Vale do Rossim (GC3GF82), uma lagoa inserida num espaço verdejante e que possui um parque de campismo próximo. O percurso para a Nave da Mestra inicia-se no final da estrada alcatroada e segue por um caminho cada vez mais apertado que acaba transformar-se em trilho de montanha. Como não existem grandes desníveis, esta caminhada não se torna particularmente exigente em termos físicos. Pelo meio podem ainda fazer-se pequenos desvios para aceder à Fraga da Penha (GC29JZW) e às Penhas Douradas (GC1VMDK) propriamente ditas, que acabaram por dar nome ao empreendimento turístico e à antiga estação meteorológica. O percurso passa ainda pelo Curral dos Martins (GC1GA98) e desce depois para a Nave da Mestra, também conhecida como Vale da Barca, aonde um antigo juiz da região mandou construir a sua casa de férias há mais de 100 anos atrás. O espaço é então perfeito para pernoitar. O acesso ao abrigo, que pode considerar-se de muitas estrelas entre os do género, faz-se através de uma enorme fenda que rasga o penedo gigante. No prado, um pouco mais abaixo, corre um ribeiro de águas cristalinas que permite suprir qualquer necessidade. Ao invés de terminar o percurso por aqui ou regressar, pode-se continuar em direção a outros locais, em particular para a Torre, atravessando o Vale da Candeeira. Uma adaptação a este trilho inicia-se em Manteigas, com a subida bastante inclinada para as Penhas Douradas e daí para a Nave da Mestra, seguindo posteriormente em direção ao Vale do Zêzere e continuando pela sua encosta, por um caminho, até Manteigas, num percurso com cerca de vinte quilómetros e que demorará entre oito a nove horas. Esta vila possui ainda muitos outros trilhos pelas serranias envolventes, que passam por locais de interesses distintos, como por exemplo o Poço do Inferno (GC12J2Z).

Vale do Zêzere

Tão antiga a Serra da Estrela deverá ser a vontade humana de, partindo de um abandono civilizacional, chegar ao seu cume. Um silêncio inquieto que busca o lado selvagem e que, mais cedo ou mais tarde, acaba por transformar-se num grito de concretização. Enquanto noutras eras tal era promovido, sobretudo, pelo desconhecimento da Serra, patente em várias lendas (GC12CA1), como aquando da primeira expedição (GCVVZH) realizada em 1881 pela Sociedade de Geographia de Lisboa e liderada por Hermenegildo Capelo, creio que agora far-se-á como um ritual de passagem numa elevação do espírito e aproximação das origens, que nos leva a perdermo-nos pelos trilhos de montanha em busca de nós próprios. Para além da subida desde Loriga, pela Garganta, até à Torre, existem outros trilhos que partem das aldeias, vilas ou cidades que ficam no sopé da serra e cujos percursos desembocam no seu cume. Vivenciei esta subida também desde Seia (GC3ER8Y), num percurso com cerca de trinta quilómetros e que pode demorar mais de onze horas, primeiro na companhia do sherpa Sphinx e depois e modo solitário, levando-me à conclusão que, por mais que se pense que se conhece um lugar ou percurso, existe sempre uma outra visão ou pormenor que podem fazer a diferença. Algures entre o sopé e o cume das montanhas estará a razão que nos leva a sujeitar o corpo a tais desafios e dificuldades, mas tal deverá ser muito difícil de encontrar, pois continuamos a regressar e sempre com uma vontade cada vez maior.

Covão d'Ametade e Cântaro Magro

De referir ainda dois percursos bastante interessantes que atravessam dois grandes vales: o Zêzere e a Candeeira. O primeiro poderá iniciar-se em Manteigas e acompanha o percurso do rio que lhe dá o nome, enquanto deambula por terras e prados de pastores, deixando atrás de si inúmeras lagoas que podem ser aproveitadas no verão (GC3A028). O percurso poderá realizar-se até ao Covão d’Ametade mas exige logística, tal como a subida do Vale da Candeeira. Este trilho cruza o anterior vale e pode iniciar-se, após um pequeno desvio do trilho, junto à Cascata da Candeeira (GC3A0KJ). Seguindo pelo vale (GC3A012), chega-se à Lagoa do Peixão, também conhecida por Lagoa da Paixão (GCPFJA), e daí sobe-se para o Fragão do Poio dos Cães (GC3A0EH), um imponente maciço rochoso que encabeça o vale. A estrada que segue para a Torre já está perto mas o melhor é ter por lá um carro para voltar ao ponto inicial.

Para além dos trilhos já referenciados, existem ainda obviamente muitos outros na Serra da Estrela e cuja distância é variável. Junto à Torre inicia-se um percurso de caches pelo planalto que segue até à Penha dos Abutres (GC1WBWC), de onde se tem uma vista de perder a memória para Loriga. Um outro trilho, por outro planalto e relativamente fácil de seguir, é o que se inicia junto ao macilento Teleférico da Estrela (GC1MQ55) e desemboca na Varanda dos Pastores (GC1MX60), junto a um marco geodésico, guardião de uma vista fantástica. Das Penhas da Saúde (GC20K33) parte um também bastante interessante com passagem pelo Curral do Vento (GC32GR1) e por onde é possível aceder à Fraga Grande (GC3DEB6) e ao Picoto da Rosa Negra (GC3K5FT), locais de vistas extraordinárias para a Covilhã. Neste percurso existem ainda várias lapas (GC3DEA2) e abrigos para descanso fortuito ou mesmo pernoita. A Lagoa Comprida é também um ótimo lugar para passear, seguindo pelo caminho ao longo da sua margem, com eventuais desvios (GC1X87Y) para chegar-se a outros locais próximos de vistas reconfortantes (GC1EY9K).

Frio

Aproveitando a passagem pela nascente do Rio Mondego (GC1BQYX), seguindo pela estrada, chega-se a mais um local bucólico e afastado do rebuliço do dia-a-dia, o Covão da Ponte, onde existe um parque de campismo. Dali é possível seguir um percurso para a capela da Senhora de Asse Dasse (GC39340), já pertença às terras de Folgosinho, passando por prados de perder de vista. Nas encostas de Gouveia existem mais trilhos interessantes, como aquele que sobe até ao monte que vigia a aldeia e onde existe uma pequena capela dedicada a S. Tiago (GC17B18) ou o que leva os caminhantes até ao Curral do Negro (GC14RM9), um parque de diversas valências. Já do lado de Seia, a encosta sobranceira ao rio Alva, oferece um passeio pela Mata do Desterro (GC3696H). Ali perto corre a ribeira da Caniça, cujas águas passam em pequenos paraísos e outros fenómenos curiosos, como o seu Sumo (GC2PFD6). A caminhada realiza-se através de um canal de água (GC1WAEX) e parte da Senhora do Desterro. Mais abaixo, a ribeira passa próximo de uma gruta conhecida como Buraca da Moura (GC20A70). Na zona, a ponte Jugais (GCTBEB) é também de visita obrigatória, cujo percurso poderá realizar-se pelo Canal do Chão do Prado (GC3C7FP). Nesta serra, tal como em muitas outras, a erosão vai criando formas interessantes e curiosas, entre elas as antropomórficas, como as famosas Cabeças do Velho (GC1BN14) e da Velha (GC1B542). Na descoberta destes locais e percursos neste Parque Natural, reúnem-se as condições para a obtenção de um “canudo” (GC3V8PA) de conhecimentos e contentamentos, entre as nuvens do geocaching nacional.

E assim termina esta pequena viagem pela Serra da Estrela, uma elevação de encantos, na certeza que outros locais ou percursos por certo também merecem a visita. É um local ideal para reinventar desafios, em que o horizonte acaba sempre por compensar, por maior que seja a ousadia de quem se atreve a percorrer os seus trilhos seculares. Lugar maior que todas existências ou inconstâncias da alma, com a possibilidade de, num relance, ter todo o mundo abarcado por um olhar. Vemo-nos no Parque Nacional da Peneda-Gerês!

Penhas Douradas

Onde ficar:

Parque de Campismo do Covão da Ponte

Parque de Campismo do Vale do Rossim

Parque de Campismo do Pião

Parque de Campismo do Curral do Velho

Casa das Penhas Douradas

Serra da Estrela Hotel

 

Onde comer:

O Albertino

Abrigo da montanha

Varanda da Estrela

 

Sítios relevantes:

Parque Natural da Serra da Estrela

Centro de Interpretação da Serra da Estrela

Museu do Pão

Ski Serra da Estrela

Aldeias de montanha

Museu Natural da Eletricidade

Artigo publicado na GeoMagazine, Edição 3 (25 de junho de 2013) e em antoniocruz.pt.



Login to post comments
Geocaching Authorized Developer

Powered by Geocaching HQ
Geocaching Cache Type Icons © Groundspeak, Inc.
DBA Geocaching HQ.
All rights reserved. Used with permission.

Newsletter